29/03/2008

Primeira moto: qual comprar? [parte 1] - 125cc e 133cc

Se você chegou até aqui procurando nos buscadores expressões como "minha primeira moto", "moto para iniciantes" ou o título deste artigo, continue lendo.

Com 15 anos de idade ganhei do meu pai a minha primeira moto uma Honda CG Today 125cc azul (ano/modelo 1990/1991 - ainda sem o sistema cdi) que me proporcionou os "primeiros passos", alegrias e o gosto por motos. Na época em casa também tinha uma Honda Dutty Cargo 125 e uma Honda NX 150.

Se você nunca andou de moto nem como garupa, considere como primeira compra uma motocicleta de baixa cilindrada - não mais que 250cc - ainda que você tenha muito dinheiro para gastar numa 1000cc ou, pior, se você acabou de conseguir a sua habilitação de moto; isso mesmo! No Brasil a habilitação de moto (categoria "A") serve para pilotar tanto a de 100cc como a de 1000cc ou mais.

Em países que prezam pela segurança no trânsito (principalmente do motociclista) é necessário realizar exames de habilitação de acordo com as cilindradas da moto e permanência por um período determinado nas categorias, por exemplo, 1 ano na A-1, 2 anos na A-2, etc. Isso por que a pilotagem difere e muito conforme aumenta a potência da moto, e somente com a experiência e treino você conseguirá "domar" tantos "cv - cavalos" entre as pernas.

Com a abertura do mercado brasileiro para novas montadoras como Dafra Motos, Green Motos, FYM Motos, Hao Bao, MVK Motos, Kasinski, Sundown, além das tradicionais Honda e Yamaha, o consumidor ganha com a variedade de produtos e diretamente com a concorrência de preços, mas também fica mais em dúvida.

Acredito que a dúvida para quem vai adquirir a primeira moto é inevitável, dada as opções disponíveis. Todavia, para saná-la, basta analisar com calma e atentar para questões como qualidade, rede de assistência, peças de reposição, índice de furtos e roubos (se for usar em grandes centros urbanos é bom considerar) e preço pelo conjunto oferecido.

É importante conferir se existe assistência técnica disponível em sua localidade, valor das revisões (incluindo mão-de-obra e necessidade de agendamento), reposição de peças e o atendimento geral no pós venda - não esqueça deste detalhe(!); existe concessionária que o atendimento na venda já é ruim, imagina quando for realizar uma simples revisão...

A melhor forma de escolher é realizar um test ride, visitar as concessionárias para experimentar (sentar) nas motos de sua preferência e ver qual estilo melhor se adapta ao seu gosto (como se estivesse comprando uma roupa) e perguntando com quem tem ou teve a moto - nesse ponto é importante considerar as opiniões mais isentas possíveis, sem idolatria por determinada marca; considere apenas as opiniões sobre a motocicleta, nada mais!

Esse pequeno guia de compras se dividirá em quatro partes: as motos de 100cc, 125cc, 150cc e 250cc. Por questão de mercado, já que as de 125cc street são as mais vendidas (em volume) e "tradicionais", vamos inverter a ordem. NOTA: os preços são os sugeridos pela fábrica sem o frete ou, quando não disponíveis pelo fabricante, foi realizada uma rápida pesquisa nos classificados.

Confira as motos de 125cc estilo street:

(Preços cotados dia 3.9.2008 na Concessionária Mundyama de Itaí-SP)
Yamaha YBR Factor 125 ED (com partida elétrica e freio a disco) - R$7.100,00 (à vista)
Yamaha YBR Factor 125 E (com partida elétrica) - R$6.700,00 (à vista)
Yamaha YBR Factor 125 K (com partida a pedal) - R$5.900,00 (à vista)
Yamaha YBR Factor ED
Yamaha YBR Factor E
Algumas características:
Motor: 4 tempos, monocilindro, SOHC, refrigeração a ar, 1 cilindro
Potência máxima: 11,2 cv a 8.000 rpm
Torque máximo: 1,13 kgf.m a 6.000 rpm
Altura mínima do solo: 175 mm
Alimentação: carburador BS 25 Mikuni (segundo estágio a vácuo)
Tanque: 13 litros
Painel de Instrumentos: velocímetro, hodômetro total e parcial, mostrador do nível de combustível, indicador de farol alto, indicador de pisca, luz de falha do sistema de ignição, indicador de neutro.
Peso seco: 112 Kg

(Atualização dia 27.11.2008)
Observe que as fotos acima já são as do modelo YBR Factor.
Leia mais sobre a: "Nova Yamaha YBR 125 Factor modelo 2009".

Opiniões de proprietários da Yamaha YBR: aqui ou aqui
Veja preços da Yamaha: YBR Factor


(Preço cotado nos classificados dia 22.3.2009)
Suzuki YES 125 ED (com partida elétrica, freio a disco e roda de liga-leve) - R$4.990,00
foto Suzuki Yes
Algumas características:
Motor: 4 tempos, monocilindro, 2 válvulas, OHC, refrigerado a ar
Potência máxima: 13 cv a 8.500rpm
Tanque: 14 litros
Óleo do motor: 1,15 litros (com troca de filtro)
Rodas de liga leve
Freio a disco
Peso seco: 112 kg

Opiniões de proprietários da Suzuki YES: aqui
Veja preços da Suzuki: Yes 125


(Preço cotado nos classificados dia 22.3.2009)
Honda CG Fan 125 modelo 2009 KS (com partida pedal) - R$5.950,00
Honda CG Fan 125 modelo 2009 ES (com partida elétrica) - R$6.370,00
Nova Honda CG Fan 2009

Algumas características:
Motor: OHC, 4 tempos, monocilíndrico, arrefecido a ar
Cilindrada: 124,7 cc
Alimentação: carburador
Potência máxima: 11,6 cv a 8.250 rpm
Torque máximo: 1,06 kgf.m a 6.000 rpm
Tanque: 15,1 litros
Peso seco: 108,9kg (KS)/ 110kg (ES)
Cores: vermelha, azul e preta

(Atualização: 22.3.2009)
Agora em duas versões a Honda CG 125 Fan 2009 conta com a versão ES equipada com partida elétrica (mas sem freio a disco).

Opiniões de proprietários da Honda CG Fan: aqui
Veja preços da Honda CG 125: Fan

(Preço sugerido de fábrica sem frete, cotado dia 23.3.2009)
Kasinski Seta 125 (com partida elétrica e pedal) - R$4.790,00
Kasinski Seta 125
painel da Kasinski Seta 125lanterna traseira da Kasinski Seta 125

Algumas características:
Motor: 4 tempos arrefecido a ar
Potência máxima: 11,15cv a 8500rpm
Tanque: 13,5 litros
Aros raiados
Freios a tambor
Peso seco: 107 kg

Opiniões de proprietários da Kasinski Seta 125: aqui
Pesquise preços da Kasinski: Seta 125


(Preço sugerido de fábrica sem frete, cotado dia 23.3.2009)
Kasinski Way 125 (com partida elétrica e pedal) - R$3.890,00
Kasinski Way 125

Algumas características:
Motor: 4 tempos arrefecido a ar
Potência máxima: 11,15cv a 8500rpm
Tanque: 8 litros
Aros raiados
Freios a tambor
Peso seco: 96 kg
Cores: prata, vermelho e preto

Modelo de entrada para o seguimento popular e forte concorrente para Sundown Hunter 100 e Honda Pop 100. O estilo retrô lembra as antigas Honda de 1982 - fórmula de sucesso para a época.

Veja preços da Kasinski: Way 125


(Preço cotado nos classificados dia 23.3.2009)
Sundown Hunter 125 SE (com partida elétrica e pedal) - R$3.890,00
Sundown Hunter 125 SE

Algumas características:
Motor: 4 tempos, OHV, monocilíndrico, arrefecido a ar
Potência máxima: 12,5cv a 8.500rpm
Tanque: 10 litros
Aros raiados
Freios a tambor
Peso seco: 110 kg
Cores: vermelho, prata e preto

É uma versão "mais moto" em relação a Hunter 100, pois apresenta em seu conjunto um motor de 125cc e painel completo que vai desde conta-giros até sensor de celular.

Opiniões de proprietários da Sundown Hunter SE 125: aqui ou aqui
Veja preços da Sundown: Hunter SE 125 usada

(Preço cotado na Concessionária Sun Up Sundown - Osasco-SP dia 23.3.2009)
Sundown Max 125 SE (aros raiados e freios a tambor) - R$3.999,00
Sundown Max 125 SE

Sundown Max 125 SED (rodas de Liga Leve e freio a disco) - R$4.590,00
Sundown Max 125 SED

Algumas características da Max SE e SED:
Motor: 4 tempos, OHV, monocilíndrico arrefecido a ar
Potência máxima: 12,5 cv a 8.500 rpm
Partida: elétrica e pedal
Tanque: 14 litros
Peso seco: 115 kg
Cores: azul, vermelho, preto e prata.

Opiniões de proprietários da Sundown: aqui ou aqui
Teste da Sundown Max 125 SED: ler
Veja preços da Sundown: Max

(Preço cotado nos classificados dia 23.3.2009)
FYM FY125-19 (com partida elétrica e pedal) - R$4.600,00
FYM FY125-19

Algumas características:
Motor: 4 tempos, OHV, monocilíndrico arrefecido a ar
Potência máxima: 10 cv a 9.000 rpm
Tanque: 12 litros
Roda de Liga Leve
Freio a disco
Peso seco: 106 kg
Cores: preto e vermelho

Pesquise preços da FYM: Fy125-19.


(Preço sugerido de venda cotado dia 29.3.2008)
HaoBao HB 125-9 (com partida elétrica e pedal) - R$ 4.900,00
HaoBao HB 125-9

Algumas características:
Motor: 4 tempos, 1 cilindro, refrigerado a ar
Potência máxima: 10,61cv a 8.500rpm
Tanque: 14 litros
Rodas de liga leve e freio a disco
Peso seco: 122kg
Cores: vermelha, azul, prata e preta

A HaoBao Motor do Brasil foi recentemente inaugurada com a fábrica em Manaus-AM. As duas primeiras revisões - 1.000 e 3.000 kms -, são gratuitas e cobrados somente a troca de óleo, segundo informações do Departamento Comercial da HaoBao. Para maiores informações - fones: (92)3303-5902 ou (92)8118-0191, falar com Mauro Angeli; ou pelo e-mail: mauro.angeli@haobao.com.br

Pesquise preços de motos da: marca HaoBao


(Preço sugerido de venda cotado dia 23.3.2009)
Green Runner 125 (com partida elétrica e pedal) - R$4.150,00
Green Runner 125

Algumas características:
Motor: 4 tempos
Cilindrada: 125cc
Torque máximo: 0,8 kgf a 8.000 rpm
Tanque: 15 litros (1,5 litros de reserva)
Aros raiados e freio a disco
Peso seco: 115kg
Cores: prata, preta e vermelha

A chinesa Green Motos, aqui no Brasil representado pelo Grupo Rodobens, foi recentemente inaugurada no Pólo Industrial de Manaus. As motocicletas da marca têm 2 anos de garantia sem limite de quilometragem.

(Atualização: outubro/2009)
O Grupo Rodobens abandona o segmento das duas rodas e a Garinni compra a Green Motos.

Pesquise preços de motos da: marca GreenMotos (Observação: até esta data 3.6.2009 não encontrei ofertas específicas da Green Runner 125).


(Preço sugerido de fábrica cotado dia 23.3.2009)
Miza Skema 125 (com partida elétrica e a pedal) - R$4.440,00
foto Miza Skema 125

Algumas características:
Motor: 4 tempos, OHV, monocilíndrico, arrefecido a ar
Cilindrada: 124cc
Potência máxima: 10,5cv a 8.500rpm
Tanque: 9,5 litros
Aros raiados e freios a tambor
Peso seco: 95kg
Cores: preto, prata e vermelha

A moto Miza Skema tem o desenho das motos mais antigas com farol (anos 90) e painel retangular com indicador de marchas digital, hodômetro, conta giros e, no punho esquerdo, pisca-alerta (isso mesmo! pisca-alerta). Acompanhando as motos mais antigas possui também um cobre-corrente (promessa de maior durabilidade para a corrente, coroa e pinhão por evitar sujeira, além de não sujar a roda traseira) e bagageiro.

A bronca fica para o pedal do garupa fixado na balança de suspensão (que deveria de ser abolido em todas as motos que utilizam ainda esse sistema em nome da maior segurança do garupa) e a trava do guidão que é separada da ignição.

Pesquise preço da Miza: Skema125


(Preço sugerido de fábrica cotado dia 20.4.2008)
Moto Traxx Best 125 (com partida elétrica e a pedal) - R$ 5.158,00
Traxx Best125

Algumas caraterísticas:
Motor: 4 tempos, OHV, monocilindro, refrigerado a ar
Cilindrada: 124cc
Potência máxima: 12,5 cv a 8.500 rpm
Tanque: 14 litros
Rodas de liga leve e freio a disco
Peso seco: 110 kg
Cores: vermelho e preto

A "Moto Traxx da Amazônia LTDA, importadora de motos e moto peças, sediada na cidade de Fortaleza-CE, tem o apoio tecnológico da Jialing, maior e mais famosa fabricante de motocicletas da China." (site da Traxx)

A Traxx Best 125 tem motor de 124cc com potência máxima de 12,5cv a 8.500rpm e possui painel analógico com hodômetros total e parcial, conta giros, indicador de marchas e marcador de combustível; próximo à ignição há luzes espias, neutro e farol alto. Mais, tem bagageiro, protetor de escapamento (a curva do escape é pintada), lampejador de farol alto, rodas de liga leve e freio a disco na dianteira.

O banco da motocicleta é estreito e com pouca densidade, tem as pedaleiras um pouco recuadas dificultando a boa ergonomia de pilotos mais altos (acima de 1,72 m).

Para maiores informações: ECO MOTOS - São Paulo-SP - telefone (11) 3087-1200 - e-mail: ecomotos@traxx.com.br

Veja preços da: Traxx Best125


(Preço sugerido de fábrica cotado dia 23.3.2009)
Moto Traxx Joto 125 (com partida elétrica e a pedal) - R$ 4.199,00
Traxx Joto 125

Algumas características:
Motor: 4 tempos, OHC, monocilindro, arrefecido a ar
Cilindrada: 133cc
Potência máxima: 13,1cv a 8.000rpm
Tanque: 14 litros
Rodas de liga leve e freio a disco
Peso seco: 120kg
Cores: preto, prata e azul

A Traxx Joto125 tem motor OHC de 133cc (dados da fábrica - a inscrição de 125 é apenas para competir nesse mercado e dentro dessa categoria) e potência máxima de 13,1cv a 8.000rpm.

Como diferencial este modelo conta com bolha integrada ao farol e painel (ajuda na velocidade final da motoca) e suspensão traseira monoamortecida.

O painel analógico tem hodômetros total e parcial, conta giros, marcador de combustível, indicador de marchas e as luzes indicadoras de neutro, farol alto e espias. Nota-se, ainda, que as bengalas dianteiras tem a marca da grife Showa e a curva do escape é pintada.

Veja preços da: marca Traxx


Para os leitores das cidades de Recife, Caruaru e Carpina existe ainda a opção pela marca Wuyang, com representação no Brasil pela Star Motos.

Wuyang WY125-ESD (com partida elétrica e a pedal) - R$?
Foto Wuyang Flash125

Algumas características:
Motor: 4 tempos, refrigerado a ar
Potência máxima: 10,5cv a 8.500rpm
Tanque: 15 litros
Rodas de liga leve e freio a disco
Peso a seco: 120kg
Cores: vermelho ou preto

A marca Wuyang e Shineray só dispõe de assistência nas regiões informadas acima.

Pesquise preços de motos da: marca Shineray | marca Wuyang


Confira, a seguir, uma opção de 125cc estilo custom:

As motocicletas estilo custom são as preferidas por uma clientela mais tradicional e que gostam de “pegar estrada”, pois agregam muito conforto em viagens de longo percurso (se de maior cilindrada). Assim, características como garfos dianteiros mais inclinados para frente, pedaleiras avançadas e banco baixo em relação ao solo estão presentes nessas motocicletas. Na prática, com essas características, o piloto fica mais recostado para trás e seus pés mais à frente.

Ao optar por uma custom, seja de que cilindrada for, a prioridade é pelo conforto e não muito pela velocidade. Como dizem os proprietários dessas motos: “quem acostuma com uma custom, fica mal a‘custom’ado”.

No mercado brasileiro temos algumas opções dessas motos para aqueles que querem a sua primeira moto, logo abaixo temos um modelo disponível de 125cc estilo custom.

(Preço cotado nos classificados dia 23.3.2009)
Suzuki Intruder 125 ED (com partida elétrica) – R$4.690,00
Suzuki Intruder 125 ED

Algumas características:
Motor: 4 tempos, monocilindro, 2 válvulas, OHC, refrigerado a ar
Potência máxima: 12,5 cv a 8.500 rpm
Cilindrada: 125 cc
Tanque: 10,3 litros
Painel com indicador de marchas
Freio a disco e rodas de liga leve
Peso a seco: 107 kg
Cores: azul, preta, verde e vermelho

A Suzuki Intruder 125 ED tem motor com potência máxima de 12,5cv a 8.500rpm (mantém média de 100km/h) e seu consumo fica em 35km por litro de gasolina. O painel é quase completo - pois falta marcador de combustível, mas tem indicador de marchas – e vem de série com bagageiro, rodas de liga leve e freio a disco na dianteira (aliás, o disco poderia ser ventilado e, talvez por isso, apresenta um barulho um pouco incômodo). Para os grandalhões (com 1,80m para cima) o guidão fica um pouco baixo, mas é mais largo em relação à CG. A revenda dessa moto é um pouco difícil, assim como toda custom (acredito eu), dado um público mais restrito, porém seletivo (que preza mais conforto) – basta verificar e comparar o número dessas motos que trafegam nas ruas com as estilo street.

Identificou-se mais com a custom, com seus cromados e estilo mais tradicional, a Suzuki Intruder 125 será uma boa escolha tanto para o trânsito urbano como para médias viagens (em torno de 500 km).

Opiniões de proprietários da Suzuki Intruder 125 ED: aqui
Veja preços da Suzuki: Intruder 125

LEIA TAMBÉM

59 comentários

ediclan

Como confiar em marcas que aqui no brasil ainda nao se consagraram, como a honda e a yamaha? peças e serviços? onde encontrar?
ediclan | 07.26.08 - 12:14 am | #

Diler

Ediclan, acredito que as marcas mais novas chegaram para brigar com a Sundown, Suzuki e Kasinski. É muito difícil, por enquanto, querer enfrentar as grandes Honda e Yamaha.

De qualquer forma, vejo com bons olhos a chegada dessas marcas no mercado nacional para melhorar os preços e produtos das grandes também.

Acho que um bom exemplo é a Dafra com ampliação de suas concessionárias e serviços por todo país e bons produtos.

Mas sem dúvidas, caso não tenha uma concessionária na cidade em que mora ou cidade vizinha fica complicado adquirir uma moto dessas marcas novas por conta da manutenção no pós-venda. Ainda que pela internet seja possível comprar peças diretamente da fábrica ou concessionárias, mas aí o frete encareceria e a mão-de-obra não seria da própria marca.

É esperar para ver quem sobrevive.

Abraços.
Diler | 07.27.08 - 4:46 pm | #

Frank

Cara, amei sua pesquisa e reportagem. Na verdade, passei dias e mesmo semanas pesquisando até cair na sua página. Muito boa. Você está de parabéns. Estou entre comprar uma Intruder e uma Kansas. É claro que os conhecidos ficam falando de comprar Honda ou Yamaha, mas eles concordam que, por morarmos na grande SP, estas marcas maiores são muito 'visadas'. Qual você me aconselha? Intruder ou Kansas?
Frank | 09.04.08 - 12:33 pm | #

Diler

Olá Frank

Obrigado e seja muito bem-vindo ao iMotocas! Um cantinho para todos aqueles que apreciam motocicletas.

Quer uma custom de baixa cilindrada e ficou na dúvida entre a Intruder e a Kansas? Não tenha pressa em comprar. Vá nas concessionárias Suzuki e Dafra e sente nas motos (isso mesmo, sente nas motos) e, se possível, faça um "test drive" (ou melhor, "test ride"). Disse para sentar nas motos, porque você sentirá uma certa atração (no bom sentido) por determinada moto (é como experimentar uma roupa - você sabe que visualmente ficou legal, mas aperta um pouco na barriga, ficou frouxo...). Então, não tenha receio em "experimentar".

Ainda que sejam muito parecidas, a Intruder tem motor de 125cc enquanto que a Kansas tem motor de 150cc. Por este item já não daria para comparar, pois a Suzuki ficaria em desvantagem em relação a Dafra.

Digamos que na prática, a Intruder não passa de 110km/h e a Kansas 115km/h (velocidade real).

A troca de marchas na Intruder é muito macia, porém as pedaleiras vibram um pouco em altas rotações (nada perigoso ou anormal em se tratando de custom).

A Kansas ainda não tive oportunidade de experimentar, mas já vi de perto e posso afirmar que a motoca é bonita e com bom acabamento.

A minha opção entre as duas (reitero, minha opinião): Dafra Kansas.
1.) O Grupo Itavema investiu muito dinheiro (R$100 milhões) na Dafra e, cá entre nós, ninguém investiria tanto dinheiro senão acreditasse no projeto e produto;
2.) O número de concessionárias por todo o país cada vez mais aumenta;
3.) Os testes das revistas especializadas mostram bons resultados;
4.) Boa recepção por parte dos que já compraram;
5.) É bem completa com marcador de combustível (item que a Intruder não possui e reputo de grande utilidade).

Deixo claro que a Intruder 125 também seria uma boa escolha, principalmente quem vai comprar a primeira moto.

O grande porém, digamos assim, nessas customs de baixa cilindrada é a revenda, segundo alguns proprietários que já conversei, principalmente da Intruder 125 (porque a Kansas é nova no mercado e ainda não deu tempo para sentir como fica a revenda). Mas, quem disse que comprar um automóvel ou moto hoje em dia é investimento? Como dizem: "retirou da loja, já está valendo menos!". Não me preocupo tanto com isso, porque se pago R$5.000,00 hoje numa moto sei que venderei amanhã por um preço mais baixo, mas enquanto estiver em minhas mãos a motoca vai me proporcionar muitas alegrias que essa desvalorização nem vai ser tão sentida.

Só mais uma dica antes da compra: veja o atendimento no setor de peças e oficina da concessionária que você for fechar negócio e aproveite para perguntar os valores das revisões (incluindo mão-de-obra e peças) e se cobram ou dão de cortesia, fora das revisões obrigatórias, uma esticada na corrente, por exemplo - é um procedimento simples que em concessionárias boas não cobram.

No mais, é rodar (sem loucuras) com a moto nova e ser feliz! Quem sabe não marcamos uma pequena viagem, juntos de outros amigos aqui da cidade de Itaí-SP (próximo de Avaré) para você sentir o quanto valeu a pena ter uma moto!

Abraços e boa escolha.

Diler | Homepage | 09.04.08 - 6:12 pm | #

Paulo

Vou ver se eu compro uma haobao., ela lembra muito uma cb 400, eh muito bonita.
Paulo | 10.08.08 - 10:22 pm | #

Diler

Paulo,

Caso compre uma HaoBao e puder colocar seus comentários e impressões sobre a moto, os visitantes e amigos motociclistas ficarão muito agradecidos. Abraços.
Diler | Homepage | 10.13.08 - 9:04 am | #

Paulo Lopes

Que site bom!! Muita informação, simples, fácil de entender..ler..!! Muito bom... estou a procura da minha primeiro moto, e esta sendo muito útil pra mim suas informações. Parabéns!!!
Paulo Lopes | 01.30.09 - 7:16 pm | #

Eduardo

Inicialmente gostaria de parabenizá-lo pelo excelente trabalho realizado. Vou comprar minha primeira moto e encontro-me com uma grande dúvida. Como pretendo gastar no máximo R$ 6.000,00, fiquei entre a Suzuki Yes que vem completa e a YBR factor k, sem itens de série e R$ 800,00 mais cara. Já estive nas duas concessionárias e me senti melhor na YBR, entretanto fico com remorso de poder deixar de aproveitar todos os acessórios que a Yes tem. Vale lembrar ainda que a Yes é 2008/08 e a YBR 2008/09. Pesam ainda outros fatores como liquidez da Suzuki e o fato de achar a Yes um pouco pequena para mim (tenho 1,79m). Diga lá então meu amigo o que você tem a dizer?
Eduardo | 02.19.09 - 8:50 pm | #

Diler

Paulo Lopes, obrigado pelos elogios e espero com toda sinceridade que ajude na escolha da sua moto.

Eduardo, agradeço também pelas considerações iniciais. Em relação a sua dúvida, você já tem a resposta: vai de YBR Factor, porque você gostou. Entretanto, independente de qual você escolher, vai bater um arrependimento (geralmente no dia seguinte da compra, mas passa logo) - "Putz, deveria ter comprado a YES que é completa e mais barato!" ou, "Putz, deveria ter comprado a YBR que 'vestia' melhor para a minha estatura e foi a que gostei mais!". Imagine a YBR com todos os acessórios que a YES oferece, agora imagine a YES sem os acessórios igual a da versão "k" da YBR: qual mais lhe agradou? Concordo que não é tão simples assim, já que essas escolhas custam dinheiro (e não é pouco), mas você percebeu que a comparação só será válida se visualizar as duas motos lado a lado com todos os acessórios ou sem os acessórios e ver qual lhe agrada mais (já que potência e consumo são bem parecidos). Decidiu? Veja se o que gostou está dentro do orçamento. Não está? Você pode adiar alguns dias ou meses a compra e juntar mais um pouco de grana. Ou, a que escolhi está dentro do orçamento, então é só comprar e ser feliz! (sem arrependimentos).
Um grande abraço e qualquer novidade (ou dúvida) deixe um comentário.
Diler | Homepage | 02.20.09 - 12:04 am | #

Marcos Lopes.

Parabêns pela reportagem e ela está me ajudando a resolver meu problema. Vou comprar a minha primeira moto e após conversar com vários amigos tinha decidido em comprar uma 250cc. Entretanto, no caso do Rio de Janeiro uma Twister ou uma Fazer são muito visadas e o seguro fica na ordem de R$ 5.000 (50% do valor da Moto). Por isso, decidi comprar uma GS500.Apesar mais cara o seguro é menor e pelas minhas pesquisas a GS500 é uma 500cc mais calma, que uma quatro-cilindros. Entretanto, permace a dúvida será que conseguirei aprender a andar nela com cautela ou tenho que correr o risco de ser robado é ver R$ 9.000 indo embora. O que fazer?

Diler

Olá Marcos Lopes, é uma pena aqui no Brasil ter que escolher uma moto menos visada por ladrões (incluo aqueles que compram peças sem procedência de origem, "só para economizar uns trocados", e fomentam ainda mais os roubos e furtos de motos, quando não matam!), e não a que realmente gostaríamos de comprar. Mas, enfim...

O valor desse seguro aí no Rio está um absurdo(!) para não dizer outra coisa. Aqui no interior do Estado de São Paulo o valor de seguro da Twister e da Fazer fica em torno de R$2.000,00 a R$2.500,00 (dois mil a dois mil e quinhentos reais) e já acho caro.

Sobre aprender a andar de moto em cima da GS500 você utilizou um termo bastante apropriado "com cautela". É por isso que neste pequeno guia da "Primeira moto", dividido em quatro partes, não inclui algumas motos (acima de 250cc), pois sei que não são todos que tem juízo ou responsabilidade para aprender sem abusar o que o motor e ciclísticas de motos de maior cilindrada oferece. Digo, às vezes é até mais gostoso de pilotar uma Hornet do que uma Twister de tão firme é a direção (principalmente em baixa rotação), mas aí é que mora o perigo essencialmente para quem nunca andou de moto ou está aprendendo: a vontade de ver o ponteiro do conta-giros subir sem técnica ou habilidade para isso.

A GS500 não é uma "4 canecos", mas chega a ser bastante esportiva por conta do quadro (perimetral retangular; a CB500 usa quadro berço duplo), com detalhe do banco e suspensão mais rígidos (não é sinônimo de desconfortável) o que confere bastante esportividade, principalmente quando atinge o seu torque de 4,10 kgf.m a 7.500 RPM (a moto ganha força e acelera!). Entretanto, apesar de atingir velocidade próximo de 190km/h, a GS500 é uma moto que comporta-se bem no trânsito urbano (leve e versátil) e ainda encara numa boa a estrada (com seu motor de 487 cc e 6 marchas).

Comece por andar em locais com menos movimento de carros e caminhões (se possível), caso você nunca tenha pilotado fora do circuito de aulas da moto-escola.

Você demonstrou, com pesquisas e conversas com amigos, que é e será um motociclista consciente. Vai com calma e responsabilidade (não abuse), que estará muito bem servido de GS500 e aprenderá sem maiores problemas. Aproveite e veja o ângulo desta foto (show!).

Um abraço e obrigado pelo comentário.

Marcio Costa

Marcio Costa
Fiquei feliz em encontrar este site que muito tem me esclarecido,pois tenho 46 anos e nunca pilotei uma moto mas sempre tive o desejo de ter uma.
Mas sempre gostei do estilo custom e gostaria de comprar uma shadow 600que
dizem ser muito boa moto,mas falam da cilindrada que seria muito alta para um "novato" que eu deveria começar com uma moto de cc mais baixa,etc...
Não quero ter uma moto para correr quero para passear,curtir com minha esposa,andar por aí sempre conciente,com calma e respeitando o meu limite e respeito pela moto.
A minha duvída será muito dificil eu começar com uma moto assim ou daria para começar com calma,devagar,pode me dar uma orientação? muito obrigado.

Marcio Costa

Vejo que aqui foram postados sobre motos custom de 250cc que também me interessou muito já que sou novato em motos e estarei comprando a minha 1ª moto.
Confesso que fiquei confuso com tantos depoimentos sobre a Mirage,Sundown,
Fym , Garinni,etc...
Não estou preucupado com revenda pois sei que tudo perde o valor depois que sai da loja,mas gostaria de saber quais dessas custom 250cc teria melhor custo benefício,autorizadas,motorização,desempenho,economia,e que fosse completa ou que eu possa por acessórios,desde já muito obrigado.

Diler

Olá Marcio Costa, seja bem-vindo ao clube dos que sabem que só uma motocicleta pode proporcionar em alegrias!

Sobre nunca ter pilotado uma moto e já pegar uma Shadow 600 é sempre um desafio a mais, mas não que seja impossível. É o que disse para o Marcos Lopes acima sobre andar em uma motocicleta de maior motorização que 250cc quando se é a primeira vez a rodar fora do circuito da moto-escola: é possível aprender em cima dessas, no entanto precisa ir com calma e responsabilidade. Aliás, todo e qualquer veículo precisa de muita responsabilidade ao se conduzir.

A Shadow 600 pesa 200 kg (a seco) e o entre-eixos mede 1.605 mm o que para um "novato", utilizando suas palavras, pode ser um pouco mais difícil, sobretudo pelas pedaleiras mais avançadas o que não é muito agradável para o tráfego urbano. Uma alternativa um pouco mais agradável para andar na cidade na categoria da Shadow 600 é a Yamaha Virago 535 por possuir 1.520 mm entre-eixos e pesar 182 kg (a seco) e a pedaleira ser menos avançado - só que em viagens mais longas pode cansar mais (pela posição mais ereta) que a Shadow. Só lembrando que essas motos (Shadow 600 e Virago 535) não são mais fabricadas, porém a manutenção ainda é possível nas concessionárias da marca.

A motocicleta quanto maior o entre-eixos e mais baixos, mais difícil se torna realizar manobras e curvas. Ou, porque as curvas precisam ser sempre mais trabalhadas com movimentos mais suaves e com maior cautela, ou porque as pedaleiras e, invariavelmente, os escapamentos (em alguns modelos como na Fym Fy 250) raspam no chão ao deitar a moto para fazer uma curva.

Por isso que disse ali atrás que não é impossível, mas um desafio a mais aprender a andar de moto em cima de uma Shadow 600.

Diler

Em relação as customs de 250cc pense no seguinte:

- a Kasinski Mirage 250 é o que possui motor mais potente (máxima de 135km/h) com freios progressivos e eficientes, o assento é muito confortável e o painel é completo, porém é a mais cara (em torno de R$14.000,00 a R$15.000,00); o consumo fica na média de 18km/l de gasolina;

- a Fym Fy 250 também é uma boa opção com motor de dois cilindros paralelos a ar e 17cv aceita bem ao comando do acelerador (máxima de 120km/h) e os freios também são progressivos e bem dimensionados, o preço é um dos mais convidativos (em torno de R$ 9.000,00 a R$9.800,00), porém é preciso mais cuidado nas curvas pelo lado direito por causa dos escapamentos baixos que raspam com facilidade no asfalto; o consumo médio é de 23 km/l de gasolina;

- a Sundown V-Blade 250 é uma das opções com o motor menos barulhento e níveis de vibrações menores (248cc e 19,7cv com máxima de 120 km/h), o visual é diferenciado com tomada de ar acima do motor e uma capa cromada em cima do farol, o preço fica em torno de R$12.300,00 a R$12.500,00, porém a estabilidade em curvas é razoável (não quer dizer que seja ruim) com freio traseiro mais borrachudo; o consumo médio é de 24 km/l de gasolina;

- a Amazonas AME 250 C1 (preço em torno de R$12.600,00) tem motor monocilíndrico de 250cc e 21,5cv (máxima de 124 km/h) com ótimos freios de acionamento progressivo - há uma válvula de alívio da pressão hidráulica nas pinças -, porém a vibração do motor pode incomodar em viagens mais longas (sente-se nos pés e mãos), apesar de a postura ser confortável; o consumo fica na média de 18,3 km/l de gasolina; há esperanças de uma nova motorização de 300cc e bicombustível (gasolina e álcool).

Acredito que essas quatro motocicletas são as que têm maior aceitação pelo público das customs de 250cc e as concessionárias em franca expansão pelo Brasil, além da edição limitada da Dafra Kansas 250 (que já até tirei fotos, mas ainda não acrescentei no guia de compras da primeira moto) e também é uma boa pedida com preços também na casa dos R$9.500,00 a R$10.000,00.

A dica é olhar de perto essas motos, inclusive a Shadow 600 e a Virago 535, e tirar as próprias conclusões. Um lembrete: reserve um pouco do dinheiro em torno de R$1.000,00 a R$2.000,00 para comprar os equipamentos de proteção desde o capacete, luvas, jaquetas, calças e botas.

Bom é isso. Se ainda ficar em dúvida pode deixar um comentário ou enviar um e-mail (localizado no topo da página em "contato").

Obrigado pelos comentários e até mais.

Marcio Costa

Obrigado pela sua breve resposta e me esclareceu muito,andei conversando com algumas pessoas que tem essas motos custom de maiores cilindradas e na grande maioria me aconselharam a começar com uma de 250 cc.
E estou pensando nisso e acho que talvez seja melhor pelo menos no começo até eu ter mais experiencia,mas continuo com algumas duvidas pois andei vendo comentários sobre as motos de 250cc e alguns falam por exemplo que a Mirage é uma ótima moto mas as peças são caras,que a Virago tem problemas de achar peças,que motos importadas também são problemas de reposição de peças e etc ... então eu gostaria de saber quais dessas motos custom de 250 cc teria maior facilidade de se encontrar peças pois essa é a minha maior preucupação,pois é muito chato na hora em que você precisa trocar uma peça e você ficar procurando o dia todo e não achar.
Desde já agradeço pela atenção e reintero como vocês estão me ajudando com essas orientações,muito obrigado.

Marcio Costa

Gostaria também de perguntar quais dessas motos customs de 250cc tem a maior rede concessionárias no Rio de Janeiro,pois foi como eu disse antes,não estou preucupado com revenda pois sei que tudo perde o valor depois que sai da loja mas me preucupo com qualidade,segurança,uma moto completa,facilidade de peças, etc ...
Mas uma vez muito obrigado e felicidades.

Diler

Olá Marcio Costa! Em regra, as concessionárias sempre dispõe a pronta-entrega das peças que apresentam desgaste natural como pastilhas de freios, lâmpadas, baterias, lubrificantes, filtros, kit relação (pinhão, corrente e coroa) e cabos (de acelerador, freio e embreagem). Outras peças que se danificam com uma queda da motocicleta, por exemplo, como lanterna, farol, piscas e manetes somente em algumas concessionárias é possível encontrar disponível no ato (geralmente as maiores); agora, tanque, descanso, laterais, escapamento, painel é muito difícil a pronta-entrega, inclusive as grandes marcas como Honda, Yamaha e Suzuki - será necessário aguardar que essas peças sejam encomendadas (dependendo da logística da concessionária 1 semana ou pouco mais).

Uma dica: escolha dentre as motos que mais gostou e telefone para uma concessionária como se proprietário fosse, por exemplo, da Kasinski Mirage e indague sobre os preços de algumas peças (de desgaste normal e outra não) e mão-de-obra, bem como prazo de entrega. Ou, caso queira, pode enviar e-mails também, porque como as peças são todas marcadas por códigos, pode ser que até o atendente conseguir os preços das peças demore um pouco e o senhor se irrite com a demora do atendimento (que é normal em se tratando de orçamento de peças - experiência própria).

Segue abaixo os endereços, telefones e e-mails das cinco marcas que me referi nos comentários anteriores:

- Kasinski: neste endereço aqui.

- Sundown:Rua General Roca, 340 - TIJUCA
CEP: 20521-070 Rio de Janeiro-RJ
FONE:(21)2587-2775
mauroreza@uol.com.br

Av. Dom Helder Camara, 5195-PILARES
CEP: 20771-001 Rio de Janeiro-RJ
FONE:(21)2125-4545
adm@grupoliber.com.br

Av. Brasil, 29501-LOJA A - REALENGO
CEP: 20934-041 Rio de Janeiro-RJ
FONE:(22)2734-3777
realengo@ememotos.com.br

Av. das Americas, 10585- TIJUCA
CEP: 22793-081 - Rio de Janeiro-RJ
FONE:(21)2430-2200
contato@amamoto.com.br

- Fym:Alan Motors (Assistência técnica)
Rua General Severiano, 56 Loja
Botafogo - Rio de Janeiro
Fone: (21) 3253-8143 / 3253-8146

Alan Motors (Assistência técnica)
Av. Olegário Maciel, 414 A
Barra da Tijuca - Rio de Janeiro
Fone: (21) 2495-0700 / 3283-2036

Reggio Motos
Rua Dr. Napoleao Laureano (antiga 207), n° 52 - Lojas 02 e 03
Conforto - Volta Redonda
Fone: (24) 3349–5116

Reggio Motos
Av. Ten. Cel. Adalberto Mendes, n° 567 - Loja 01
Manejo - Resende
Fone: (24) 3354–2035

Reggio Motos
Av. Dr. Jéferson Geraldo Bruno, n° 1.180
Paraíso - Resende
Fone: (24) 3355–3600

- AME Amazonas:D'Jan Motos
Rua Marques de Caxias, 151 loja 7.
Bairro Centro
CEP: 24030-050 - Niterói-RJ
Fone: (21)2620-0169
E-mail: djanmotos@hotmail.com

Quadri Shop
Av. Esplanada, 300
Bairro: Jd. Esplanada
CEP: 26013-310 - Nova Iguaçu-RJ
Fone: (21)3769-7591
E-mail: contato@quadrishop.com.br

Breder Motos
Av. Waldir Sobreira Pires, 72.
Bairro: Retiro
CEP 27281-346 - Volta Redonda-RJ
Fone: (24)3346-3017
E-mail: bredermotos@uol.com.br

- Dafra Motos: consulte neste endereço aqui (procure por concessionárias mais próximas).

É isso. Espero que tenha lhe ajudado e peço desculpas por não possuir dados mais concretos e lhe apontar esta ou aquela concessionária como a melhor, porque a disponibilidade de estoques de peças depende de loja para loja e o tipo de peça que se quer consultar.

Não desista! Você conseguirá encontrar uma moto do seu agrado. E a Dafra e a Kasinski são as que possuem maiores revendas para o Rio de Janeiro-RJ (salvo engano).

Grande abraço.

Marcio Costa

Novamente venho agradecer pela breve resposta,mas dessas motos de 250cc customs que você citou anteriormente alguma em especial na sua opnião seria mais conveniente para mim já que como eu disse antes,sou novato em motos, pois nenhum outro tipo de moto me agrada a não ser as customs então gostaria se possível de uma orientação quais dessas motos seria mais indicada no meu caso ou se simplesmente seria questão de escolha,mas uma vez muito obrigado e desculpe-me por tantas perguntas.

Diler

Marcio Costa,

É uma questão realmente de escolha e bolso. Antes de optar por uma, vá até uma concessionária e sente na moto. A escolha ficará mais fácil.

Dentre as motos citadas na motorização de 250cc a Fym Fy250 é leve e curta e pode ser uma boa opção para quem é novato; seguido da Sundown V-Blade, Kasinski Mirage, AME Amazonas 250 C1 e a Dafra Kansas 250 - apesar de ser mais leve de todas, o guidão do tipo "chifre de boi" (estreito e curvado) pode dificultar um pouco a pilotagem para quem é novato (mas nada que se não acostume logo).

Perceba que tentei utilizar critérios mais objetivos para quem está aprendendo a andar de moto, sem considerar o aspecto individual de capacidade de aprendizagem que, convenhamos, é muito subjetivo (de pessoa para pessoa).

Não quero influenciar a opinião de ninguém e não sou vendedor ou representante de marca alguma, mas a minha escolha se eu fosse comprar uma custom de 250cc para meu uso, ficaria com a Kasinski Mirage (caso dinheiro não fosse problema), seguido da Dafra Kansas 250, Sundown V-Blade, Fym Fy250 e AME Amazonas 250 C1 (esta última por razões de mudança na motorização - pode ser que aumente de cilindrada e venha bicombustível, mas ainda não se sabe quando).

Já ia me esquecendo da Garinni GR250T3 que também vale uma visita.

Sei que para quem está para comprar uma moto e está disposto a desembolsar a quantia aproximada de R$10.000,00 ou mais fica num grande dilema. Por isso recomendo que visite as lojas, vejam e sentem pessoalmente na moto. Uma delas você se sentirá mais atraído; e esta, será a escolhida.

Boa sorte! Vá com tempo escolher a sua moto, sem pressa.

Abraços.

Marcio Costa

Vou fazer isso,vou nas concessionárias e ver uma a uma,as mi nhas duvidas se devem a vários comentários que vejo em orkut por exemplo.
Andei vendo algumas comunidades e encontro opniões diversas,por exemplo a Sundow V Blade tem muitos plásticos e que se quebram fácil,que a Mirage é de dificil revenda e casamento para toda vida,a Dafra Kansas 250 é uma marca nova e que não se pode confiar, etc... etc ... então as vezes ao invés de me esclarecer acabo tendo mais duvidas.
Eu não me preucupo com revenda,mas me preucupo com segurança,facilidade de peças,durabilidade,segurança,confiabilidade.
Mas sua orientação tem sido clara e objetiva,quando eu for procurar uma moto vou fazer o que me orienta,vou ver todas as marcas e tirar as minhas conclusões e ver custo benefício também.
Muito obrigado mais uma vez e felicidades.

Diler

Olá Marcio Costa,

Eu coletei dados dos meses de janeiro até abril deste ano (2009) que mostram o número de vendas das motos citadas, exceto da AME Amazonas 250 C1 e da Garinni GR250T3 que não consegui, segue abaixo:

-Dafra Kansas 250: 830 unidades vendidas;
-Sundown V-Blade: 156 unidades vendidas;
-Kasinski Mirage 250: 111 unidades vendidas.

As vendas refletem, além da qualidade de cada uma delas, o número de revendas e preço. Acredito que a Kasinski só não venda mais pelo preço mais caro.

Espero que encontre uma moto de acordo com as suas necessidades e desejos. Após comprar uma, não deixe de nos informar sobre o que está achando da nova moto.

Grande abraço.

Marcio Costa

Olá Diler! volto aqui para agradecer os seus comentários acima,andei ligando para algumas concessionárias e achei uma que prefiro não citar o nome e eles não trabalham mais com a FY 250 e lá me disseram que pararam de trabalhar com essa marca por problemas com a montadora,que era só aborrecimento,tecnologia chinesa,etc...
Aí mencionei as outras marcas citadas acima e o atendente disse que valeria a pena comprar seria a Mirage e falou bem também da Sundow V Blade,será que é difícil achar uma 250 cc estradeira nacional? poderia me ajudar nesse sentido? mas uma vez muito obrigado.

Marcio Costa

Eu gostaria se possível que você me falasse mais da Mirage onde até agora eu só ouvir falar bem a única coisa contra seria na hora da revenda tipo "casamento para toda vida " mas não me importo com isso.
A outra seria a Sundow V Blade onde encontrei um numero muito maior de concessionárias,mas ouvi comentários que essa marca é boa mas tem muitos acessórios plásticos e com isso torna a moto problemática.
Mas uma vez peço a sua opnião sobre isso pois já que você está disposto a ajudar então volto aqui pedindo sua ajuda e obrigado mais uma vez.

Diler

Oi Marcio Costa, sobre lojas aí no Rio de Janeiro não conheço. Também não adianta eu recomendar uma loja que conheço por aqui (Estado de São Paulo), pois eles não venderiam para pessoas de outros lugares. Digo, há um esquema de cada concessionária ser dona do "seu pedaço", ou seja, cada loja pode vender até uma certa região apenas. Acho que é a fábrica que impõe (não sei ao certo).

Caso queira comprar uma usada é legal procurar também na webmotors.

Daqui a pouco coloco nos comentários uns endereços de vídeos dessas motos que, acho, pode lhe ajudar.

Até mais.

Marcio Costa

Hoje fui ver a Sundown V Blade, vi as usadas e novas e achei a moto linda,do jeito que eu estou procurando o preço de uma nova estava 13.000,00
Mas fui em uma concessionária de marca e o vendedor disse para eu sair desta marca pois eu entraria em uma furada.Aqui no Rio tem 4 concessionárias e eu fui em uma no Recreio e lá também tem serviços mecânicos.
A Mirage só tem uma revendedora aqui no RJ que fica na Pça da Bandeira,por isso fiquei meio cismado achei pouco apenas uma revendedora.
A FY fui na concessionária na Barra da Tijuca e o vendedor disse que não vendiam mais essa marca devido há problemas e muitos segundo ele.
Agora em todos que eu fui todos falaram bem da Shadow 600 Honda,que se eu fosse comprar a melhor opção seria essa.
Só que agora fico na duvída pois como estou começando acho que seria viável para mim comprar uma 250cc mas fico em um dilema o que seria melhor eu comprar uma dessas marcas acima por um preço que varia de 13.000 a 15.000 zero kilometro ou uma Shadow 600 usada pela mesma faixa de preço?

Marcio Costa

Eu vejo muita gente falando mal e bem destas motos,sei que eu só vou ter certeza quando eu tiver a minha,pois sei que cada um anda e cuida da sua do seu jeito.Eu não procuro moto para andar em alta velocidade e rodar todos os diase nem trabalhar com ela pois já faço isso todos os dias de carro.Eu procuro uma moto para dar um rolé nos fins de semana com minha esposa,devagar,tranquilo ,sem pressa,pois já tenho 46 anos e sou muito tranquilo.
Mas quero comprar uma dessas motos que eu não tenha dificuldade de peças e nem de concessionárias,mas parece que todos só falam da Honda só que Shadow 600 mesmo sendo usada é bem mais cara do que uma desdsas motos que mencionei acima 0 KM.Será Diler que essas marcas são mesmo tudo isso que falam?não são marcas confiáveis?será que realmente é uma furada?

Diler

olá Marcio. Não dá para comparar a Shadow 600 com qualquer custom de 250cc, daí o pessoal que você conversou dizer que a primeira seria a melhor opção.

De fato, a Shadow é "motão"!

Em encontro de motos, sempre que possível, converso com quem possui as custom de 250cc e todos falam bem de suas motos. Com exceção de algumas peças que trincam e se oxidam com mais facilidade (parafusos próximos ao escapamento e nos cantinhos da suspensão traseira) que vai muito do cuidado do dono também. Se comprar uma 0km faça valer a garantia de fábrica (a responsabilidade da concessionária é solidária, quer dizer, responde junto com a fábrica por defeitos apresentados).

Se todos essas motos fossem ruins não existiriam as comunidades que se formam em torno delas a exemplo dos Mirageiros e Vbladers.

Veja alguns vídeos:

- V-Blade: vídeo 1, vídeo 2 (Canção aos Vbladers);
- Mirage: vídeo 1, vídeo 2, vídeo 3 (Encontro Nacional Mirageiros);
- Shadow 600: vídeo (com escapamento modificado).

Se a paixão for mesmo por uma Shadow 600 e dinheiro não for tanto o problema, compre. Caso não consiga pilotar ou sentir muitas dificuldades no início há a solução de:

- pegar emprestada uma 125cc de um amigo; ou
- alugar uma 125, 150 ou 250cc por um final de semana, por exemplo (o preço deve estar em torno de R$50,00 o dia).

Com algumas dessas motos você pode treinar para pegar a sua 600.

Bom é isso. Espero que tenha lhe ajudado, sem complicar mais a sua escolha.

Grande abraço.

Diler

Marcio, acabei esquecendo de dizer que você já sabe qual moto comprar. É a que você achou mais bonita. É a satisfação do seu gosto que deve ser levado em conta.

Abraços.

Marcio Costa

Bem agradeço pelos vídeos todos são show,com relação ao que você falou tembém penso do mesmo jeito.Com relação a minha escolha a minha decisão por uma custom está tomada,não me interessa outro tipo de moto,estou optando pela 250cc por estar começando depois pode ser que eu mude, e espero não ter dificuldades quando eu comprar a minha 250cc.
Estou mais voltado para a V Blade por causa do preço que é mais em conta e por que aqui no RJ tem mais concessionárias do que a Mirage.
Obrigado pela ajuda e se quiser continuar me enviando dicas e vídeos ficarei muito agradecido,abraços.

Marcio Costa

Eu gostaria de saber mais sobre a Shadow 600 os prós e contras se tiver é claro,poderia me ajudar? obrigado.

Diler

Olá Marcio Costa,

Veja neste endereço mais informações sobre a Shadow 600.

Grande abraço,
DIler

Daniel

Pessoal, to querendo comprar uma Hunter 100, para ser minha primeira moto. Vale a pena? Moro em Campo Grande, MS. Aqui tem duas revendas Sundown. Vejo que a moto tem muitas reclamações (não só este modelo e marca). Daí que com o dinheiro curto e querendo fugir do financiamento como quem foge da forca, juntei os 3.100,00 necessários para a compra, mas ainda não me decidi. Precisava de opiniões isentas, sem idolatria.

Valeu!

Diler

Daniel, você tem toda razão em não querer entrar em financiamentos ou mesmo consórcios, porque os juros são sempre exagerados, beira ao ilícito. Veja o exemplo de uma Kasinski Way 125: à vista R$3.890,00, mas parcelado em 24 vezes de R$198,47 por mês, o valor chega a R$4.763,28, uma diferença final de R$873,28 ou 22,4% do valor da moto à vista.

O financiamento só é necessário para aquelas pessoas que realmente precisam do bem e não podem adiar a compra, por exemplo, mototaxistas.

Em relação a Hunter 100, se o propósito for para deslocamento urbano ou pequenos trechos entre cidades em rodovias não muito movimentadas, não vejo problemas. Uma motocicleta de fácil manutenção, baixo custo e ideal como primeira moto (é baixo e leve).

A questão da pouca potência do motor para andar por rodovias não é um "problema" em si da moto (a proposta da moto é urbana), mas da falta de respeito de alguns motoristas que ignoram as sinalizações, aliado a pouca fiscalização para coibir abusos como de excesso de velocidade. É difícil pilotar numa rodovia de mão simples, em que o limite de velocidade é 80 km/h, quando se tem um caminhão ou carro colado na traseira da moto querendo andar a 100, 120 km/h, como verdadeiros vilões do filme "MadMax".

Se a idéia for trafegar bastante por rodovias mais movimentadas, junte mais um pouco de grana e compre uma 150 ou 250 cc (considere uma usada, preferencialmente de motociclistas que utilizam a motocicleta para passeio, ir e voltar do trabalho ou faculdade). Se não, a Hunter 100 atenderá muito bem dentro da cidade ou pequenos deslocamentos entre cidades contíguas (próximas).

Abração.

Daniel

Olá, Diler.

Muito obrigado pelas informações. Já me decidi pela Sundown Hunter 100. To em processo de negociação com a concessionária pra ver se sai algum desconto ou alguma facilidade, como emplacamento, documentação, tanque cheio e capacetes. Ao que parece, vai dar tudo certo. A moto será tão somente para deslocamento urbano.

O que vejo como pontos positivos são o consumo (numa loja, disseram que passava fácil de 40km/l, noutra, 50km/l e teve quem disse 60km/l - esta eu achei um tanto exagerada, parecia só papo de vendedor). Ponto positivo é o preço, um dos menores até agora, assim como a aparente facilidade de condução e baixo peso, bem como o cobre-corrente, que deixou de ser integral e agora só cobre a parte superior da corrente (evita o trancamento por acúmulo de poeira e terra na graxa da corrente), fora que, por ser uma 100cc, tem jeito de moto. E diz que tem catalisador também, o que foi o ponto de decisão por ela em lugar da Super 100 da Dafra.

De negativo, vejo a falta de um indicador de combustível e de um câmbio sequencial em lugar do rotativo. Penso que o rotativo podia dispensar a embreagem. Os estribos do carona serem fixados na balança também vejo com uma certa preocupação, já que vão obrigar o passageiro a esticar e encolher as pernas junto com o curso da suspensão. Por ter um motor pequeno, vejo que ela poderia ter o peso reduzido substituindo peças de metal como os pára-lae metal como os pára-la7as idênticas feitas em plástico, como na maioria das motos. E os freios, que poderiam ser de diâmetro maior.

E com detalhe: acho que a minha vai durar mais tempo 0km... ainda to tirando a CNH-A e enquanto não sai, a moto vai descansar sobre um cavalete, aguardando a estréia.

Muito agradecido pelas opiniões.

Daniel

Onde escrevi "pára-lae metal como os pára-la7as" leia-se para-lamas e carenagens, como na maioria das motos. A codificação do meu PC tá meio estranha.

Daniel

Galera, eu de novo. Alguém sabe como é o pós-venda da Sundown? No wwww.reclameaqui.com.br ela aparece com menos reclamaçõs que a Dafra, mas com um índice menor de resposta aos problemas. #Medo de comprar e a motoca me deixar na mão...

Diler

Daniel,

Em 2006, na cidade de Avaré-SP, havia uma concessionária Sundown que, de uma hora para a outra, fechou as portas e deixaram os seus clientes um pouco frustrados, já que a loja mais próxima localizava-se a 123 km, na cidade de Bauru-SP.

Hoje, 2009, na mesma Avaré-SP, encontram-se novamente uma nova loja Sundown.

O relato acima não deve ser generalizado ou ser considerado um "padrão" da marca. Jamais. O que pode ter acontecido? Inúmeros fatores como dívidas, pressão da concorrência, desistência do negócio, falência, etc.

Quero dizer que deve ter sido muito temeroso e revoltante para quem adquiriu uma motocicleta Sundown lá em Avaré no ano de 2006 e ter somente um suporte por perto tão somente agora, 2009.

No seu caso acho que não correrá um problema assim, pois existem duas concessionárias como você mencionou na cidade em que mora. Em relação à reposição de peças, normalmente as concessionárias mantêm estoques somente os de uso mais frequente como lubrificantes, pastilhas de freios, cabos, etc., e até mesmo marcas maiores trabalham assim. O que diferencia de marca para marca são os prazos para se conseguir a peça, vez que depende da logística e competência de cada um.

Na pior das hipóteses, caso não tenha um serviço especializado da Sundown aí próximo, a mecânica é simples e qualquer bom mecânico de motos consegue resolver seu problema e as peças você pode solicitar via e-mail ou telefone em outra concessionária mais distante.

Daniel

Pessoal, eu de novo...

Concretizei o sonho: comprei a Hunter 100cc. Só que numas voltas com a moto, achei ela extremamente barulhenta. Alguém aí poderia me ajudar sobre o que fazer? A loja diz que é normal. Mas eu acho o barulho digno de uma garaparia a pleno funcionamento, de tão grande é o incômodo... Diz que isso é causado pelo escapamento. Mas se é pretensamente original e a moto é 0kn (rodou 26,2 Km até agora), o que pode justificar isso?

E mais: as marchas parecem meio imprecisas, e o manual não ajuda em nada nessa parte. Como poderia regular a embreagem para que a moto definitivamente se comporte como zero km?

Andmazoti

"Anderson Mazoti - andmazoti@hotmail.com"

Tomem cuidado com a marca FYM apesar do preço ser acessivel, moto ser completa e ainda não ser visada a reposição de peça é complicada e ainda muito cara... Resumindo o barato sai caro, falo pois tenho uma a quase 3 anos e quando preciso fazer manutenção é um pesadelo.

CARLOS SILVA

TENHO UM HUNTER 90 DA SUNDOW, ELA É A JIALING 90 , DAFRA 100, KASINSKI 125, O MESMO CORPO , SÓ QUE O MOTOR É MAIOR, TODOS ELES POSSUEM MANUTENÇÃO RELATIVAMENTE, FÁCIL, É IGUAL AO AEROMODELO E QUALQUER VEÍCULO, O DONO QUE FAZ A MÁQUINA. AS ÚNICA RECLAMAÇÕES QUE JÁ OUVIR FOI DA SOLDA DO BANCO TRINCAR , PARA SOLUCIONAR USE UM CANTONEIRA CORTADA E REFORCE-A, E O SUPORTE DO BAGAGEIRO QUE TRINCA A SOLDA , REFAÇA-O, OS RAIOS DE TODAS TENDE A PARTIR NOS PRIMEIROS ANOS, MAS GRAÇAS A DEUS E OS FABRICANTES BRASILEIROS TEMOS ELES PARA SER SUBSTITUIDOS, O RESTO É SUBSTITUIR, ÓLEO LUBRIFICANTE DE BOA MARCA DE UM MIL NO MÁXIMO 2 MIL KM E LUBRIFICAR A CORRENTE, CASO ANDE BASTANTE E FAZER O REGULAGEM DA TENSÃO DA CORRENTE A CADA 500 KM. É UMA MOTO FRACA PARA 2 PESSOAS MAS É BOM , INFELIZMENTE O PESSOAL CRITICA MUITO , MAS TAMBÉM NÃO CUIDA, ESTA É A REALIDADE, É VERDADE QUE AS PEÇAS , TANTO DA SUNDOW, DAFRA E KASINSKI DEMORA A CHEGAR NAS AUTORIZADAS, MAS É SÓ PROCURAR OS MERCÂNICOS SÉRIOS QUE RESOLVEM.

OBRIGADO

Deborah Alana

Olá ! Me chamo Deborah, acabei de fazer 18 aninhos, e sempre gostei de moto. Estou louca por uma, mais sinceramente, nao entendo nada... entao queria para começar uma burgman ou uma honda biz 125, queria muita uma opinião de quem entende, por favor se puder me dar opiniões ! Estarei aguardando !

Beijos

Diler

Oi Deborah,

A Burgman é uma scooter (pilota sentado); a Biz é uma motoneta (pilota montado).

Outras diferenças e considerações de uma comparada a outra:

Burgman:

- não precisa trocar marchas, basta acelerar e frear;
- não precisa se preocupar em lubrificar e esticar corrente, já que o sistema secundário de transmissão é por correia dentada (fica fechado);
- possui plataforma para os pés, dá mais liberdade e evita que o pneu dianteiro espirre lama quando passar por alguma poça, por exemplo;
- possui freio a disco na dianteira de série;
- o espaço debaixo do banco é pequeno, cabe apenas um capacete aberto e específico para burgman (dica: para ganhar mais espaço pode colocar um baú no bagageiro);
- o consumo de combustível é maior do que na Biz (se andar nas mesmas condições de pilotagem);
- rodas pequenas em ruas esburacadas, não é bom negócio.
- motor com alimentação a carburador (sistema mais antigo e menos eficiente do que a injeção eletrônica);


Biz:

- precisa trocar marchas, apesar de não ser preciso apertar embreagem;
- transmissão secundária por corrente (precisa lubrificar e esticar de tempos e tempos; na concessionária eles fazem esse serviço sem cobrar);
- não possui plataforma para os pés (é igual de moto);
- espaço debaixo do banco é grande com possibilidade de guardar um capacete fechado com tranquilidade, ainda sobra espaço para uma sacola de supermercado;
- consumo de combustível é menor do que a Burgman (se andar nas mesmas condições de pilotagem);
- rodas maiores, transmite maior sensação de segurança;
- freio a disco na dianteira somente na versão Biz+, nas outras versões o freio dianteiro é a tambor (menos eficiente do que a disco);
- manutenção um pouco mais barato do que a Burgman;
- motor com alimentação a injeção eletrônica (sistema mais moderno e mais eficiente do que o carburador) - só não pode deixar acabar o combustível para não queimar a bomba de gasolina (que custa caro);

Enfim, essas foram algumas particularidades entre as duas. Vá até as concessionárias, veja e acomode-se na Burgman e na Biz. Veja se o atendimento no setor de oficinas é bom. Não olhe apenas o setor de vendas.

Boa escolha e até mais.

Anônimo

Como primeira moto peguei uma kasinski way 125, não me arrependo, não é la essas coisas mas olhando o preço não é tão mal negócio, estou com ela 1 ano nunca tive problemas mecânicos, só alguns elétricos, quando peguei ela tremia como vara verde mas depois de alguns meses e ajustes parou.

carlos jose

tenho um sundow 90 e comprei um kasinski way 125 para meu funcionario, ambas chinesa motada no brasil, não tenho reclamações , é tão bom que só troco óleo e lubrifico e estico a corrente, como outro colega disse é o dono que faz a maquina. Pode até casamento , pois não tem revenda fácil, mas afinal comprou para usar ou revender, e também custou a metade do preço da honda , para que serve mercânicos honestos.
obrigado

carlos eduardo

vamos fazer a companha de não comprar honda, vamos compra sundow, dafra, kasinski, yamaha e etc, quem sabe a honda cai de preço.

joão sorte

Tenho um sundow 90 se regular para mistura pobre, faz 62 km por litro e se usar o combustível da texaco aditivada plus chega perto de 65km/l tem que mudar muita macha igual ao carro mil, mas tenho há 3 anos e qualquer mercânico arruma, esquec a pós-venda é bobagem , pois durante as revisões me esfaquaram e não fizerma quase nada agora que arrumei um oficina séria de moto adeus oficina sundow.

val

Ola
chamo-me Valquíria,e ante de prosseguir quero dizer que VOCÊ É UM ACHADO!!!rss
tenho 35 anos,sou uma amante de motos, motocicletas e afins desde que me entendo por gente...rs, moro em Brasilia-DF
enfim, aos 35 anos decidi ter minha primeira moto.
Gostaria de sugestoes para comprar uma boa moto para mim, tenho 1,70cm e nao gostaria de uma moto "baixinha", quero algo meio que "imponete", mas tambem segura para mim.
Gosto de encontros promovidos pelos Moto Clubes e tambem pretendo fazer parte de um.
Tem algumas motos que acho bonitas, como a FALCON e a TWISTER, no entanto nao entendo muito sobre marcas e modelos.
Gostaria de te pedir uns conselhos a respeito do assunto para mulheres.
Amei sua materia sobre a "primeira moto" e ja esta adicionado nos meus favoritos.
PS: para falar com voce, somente por aqui??? Gostaria de um E-mail se possivel obvio.

ATT: Valquíria.

Manoel Messias Farias Junior

Boa Tarde Diler.

Em primeiro lugar meus parebéns pela reportagem... realmente muito boa.

Porém tenho uma dúvida com a burgman tbm assim como a Deborah.

Moro em São Bernardo do Campo e trabalho em Osasco, ou seja, 100 km ida e volta, por dentro ou 150km, pelo rodoanel POR DIA! E faço faculdade, a moto ficaria na rua.

Tenho 21 anos e nunca pilotei uma moto.
A dúvida está entre três tipos de moto:

CG/YBR 125: porém, sei que é extremamente visada. oque não bom pra faculdade.

XTZ 125x: minha paixão desde o lançamento realmente muito Bonita, mais não sei se é visada, e a probabilidade dos rolas, por ser mais alta.

Burgman 125: Sei que é extremamente economica, e facil de pilotar, mais tenho medo de ela não aguentar o tranco.

Por favor me ajude.

Muito Obrigado.

Diler

Olá Val, obrigado pelo carinho. Por gentileza, entre em contato por e-mail.

Diler

Olá Manoel, só posso dizer: realize seu sonho! A XTZ 125 X será uma boa opção para o seu trajeto diário. É confortável por causa das rodas grandes e curso das suspensões e é possível manter 80 a 90 km/h na rodovia. Para ajudar a carregar os seus materiais da faculdade é possível colocar um bauleto (no começo você vai achar que não combina com a moto, mas depois não vive mais sem - pela praticidade). Em relação a altura pode ficar tranquilo que não é tão alta quanto a Lander ou Tornado/XRE 300 (claro, depende da sua altura, mas para pessoas com estatura acima de 1,65m não haverá "medo" de cair).

Agora, possibilidade de roubos/furtos, hoje, não se pode dar bobeira com absolutamente nenhum bem (principalmente nas grandes capitais). É a realidade e isso é bastante triste. De qualquer forma é menos visada do que a CG e YBR. Você pode se precaver com alguns cuidados:

1) Saia de casa com a rota já previamente traçada;
2) Não faça o mesmo trajeto todos os dias, se possível;
3) Pilote SEMPRE atento;
4) Ao parar em semáforos, prefira ficar entre dois carros para minimizar abordagens laterais (não pare próximo a calçada);
5) Coloque alarme de distância com acionamento discreto (se a moto for nova, converse com o pessoal da concessionária sobre ser possível instalar alarme com eles sem perder a garantia; guarde os comprovantes);
6) Ao estacionar, coloque cadeado de disco (cuidado para não esquecer de retirar ao sair com a moto) e/ou corrente (melhor ainda se for possível travar junto de um poste ou algo fixo; no trabalho ou faculdade é possível combinar com algum amigo que também utilize moto para prender as duas sempre juntas, uma na outra); não economize nesses itens e compre coisa boa;
7) Ao chegar em casa, se houver algum suspeito próximo ao portão, não pare e siga até um local mais seguro, dê um tempo e depois retorne;
8) Em casa, nunca deixe a moto visível aos olhos de quem passa pela calçada (costumo dizer e parece até exagero, mas moto se guarda dentro de casa amarrado ao pé da cama);
9) Siga com religiosidade as manutenções da motocicleta para não ficar em apuros no meio da estrada.

Grande abraço.

Manoel Messias Farias Junior

DILER.... Muito Obrigado MESMO!
essas dicas serão extremamente valiosas...

(Tenho 1,75 m... Vai ser tranquilo pra pilotar a bichinha!!! rsrs)

Só mais uma coisa:
Meus parentes e colegas estão me alertando do perigo que eu posso correr
Andando nas marginais, Anchieta, Imigrantes, Anhanguera....

Sei que vc pode ser suspeito pra falar.

Mais gostaria da sua opinião, o que vc acha do perigo de vias como essas!??

É melhor andar em ruas com velocidades menores e maior transito de carros??

(PS:já tenho um carro e vou continuar com ele para os dias de chuva)

Muito Obrigado.... (não saio mais desse site cara...) rs

Diler

Ôpa, Manoel.

É natural que os seus familiares e amigos fiquem preocupados, já que estimam que nada de mal aconteça.

Caso seja os seus primeiros passos em cima de uma moto e ainda não tenha plena confiança na pilotagem, recomendo que ande mais dentro do seu bairro ou em lugares com o trânsito não tão pesado, pelo menos no início até você se sentir mais confiável.

A moto por ser um veículo leve e ágil, exceto pelas customs, permite, e é preciso ter atenção quanto a isso, abusos perigosos no trânsito. Assim, em qualquer via depende muito mais das ações do piloto no comando da motocicleta do que em relação ao tipo de tráfego.

Claro que há dicas de como pilotar em vias com muitos veículos pesados, vamos a eles:

1) Evite ao máximo ficar entre dois caminhões ou ônibus, um na frente e outro atrás, pois numa freada podem prensá-lo.
2) NUNCA ultrapasse no meio de dois veículos - pesados ou não - quando um deles já estiver ultrapassando o outro.
3) Posicione-se sempre deslocado, na mesma faixa de rolamento, para a lateral do veículo a frente com o facho do farol da moto apontado no retrovisor dele. De forma que se houver um buraco ou outro obstáculo você consiga visualizar com antecedência e se precaver, além de ficar visível para o motorista que vai a frente. Se por algum motivo você não consiga se posicionar dessa maneira, ande na linha do pneu do veículo da frente.
4) NUNCA corte na frente de um caminhão ou faça uma conversão sem que o motorista saiba que você quer cruzar a sua frente.
5) Mantenha distância do veículo que vai na frente, mas não muita para que o motorista que vem atrás perca a paciência e "grude" na traseira da moto para querer uma ultrapassagem forçada.
6) Mantenha os olhos focados e mentalize uma rota de fuga, caso o veículo pare repentinamente (como ônibus). Não fique olhando fixamente ou só na traseira do veículo da frente. Os olhos guiam. Se você estiver olhando fixamente na traseira do ônibus, por exemplo, e ele parar de uma vez, você será um ótimo candidato a bater na traseira ou, na pior das hipóteses, ser abalroado por um veículo que vem atrás. Ao contrário, se você fixar e mentalizar num ponto de fuga, caso ocorra o mesmo exemplo acima, você evitará um acidente.

(continua)

Diler

7) Evite ultrapassar entre dois veículos quando já estiverem em movimento, principalmente se eles já estiverem com velocidade próximos a da permitida para a via.
8) Quando os veículos que vão na sua frente começarem a parar num semáforo, por exemplo, não entre direto no corredor (formado pelos automóveis), reduza a velocidade na faixa de rolamento e aguarde até que eles parem para que você entre no corredor. Neste momento fique atento no retrovisor para as motos que vão chegar para entrar também no corredor. Há motoqueiros que entram e andam nos corredores a mais de 100 km/h. Suicídio total! Estes não são apenas motoqueiros, são os "motoqueiros fantasmas".
9) Quando estiver no corredor e só uma das faixas de rolamento os veículos começarem a andar, cuidado, porque neste momento os motoristas da faixa de rolamento parado vão tentar cruzar para outra faixa. É neste instante que o motociclista fica muito vulnerável, já que muitos motoristas mudam de faixa sem dar sinal e sem olhar no retrovisor. É aquela vontade, aquele pequeno gostinho de poder andar com o carro poucos centímetros, que faz com que o motorista se esquece das mais básicas instruções: sinalize, olhe e guie. E não o inverso.
10) Ainda dentro do corredor, quando os veículos de todas as faixas de rolamento estiverem andando, mas uma das faixas entre um veículo que vai a frente e outro atrás ficar um espaço de um mais carros, novamente muito cuidado, porque é provável que vai ter carro querendo cruzar de uma faixa a outra com o agravante de não sinalizar e olhar no retrovisor. Nessas situações costumo aguardar uns instantes, dar uns 3 toques rápidos na buzina, piscar o farol e, certificar que o motorista olhou no retrovisor, para daí passar.
11) Quando passar no corredor formado por caminhões, cuidado com pedaços de ferro, arame, canos para fora da carroceria e também com o rodo-ar nos pneus.
12) Sempre que estiver no corredor e puder dar passagem para um "motoqueiro fantasma", dê lugar e não aumente a sua velocidade. É um risco desnecessário. O mal dos motoqueiros lunáticos é que muitos deles ganham por entrega realizada, então quanto mais entregas mais dinheiro.
13) Não costure no trânsito, a moto dá liberdade para você fazer isso, mas não faça.
14) Instale um corta-pipas (os que prendem no retrovisor é bom porque não riscam o guidão e é fácil a instalação) ou use um protetor de pescoço anti-cerol. Nessas vias que você citou sempre tem um tosco soltando pipa próximo a rodovia.
15) Compre os equipamentos de segurança apropriados para quem anda de moto. Providencie, além do capacete (de preferência fechado), jaquetas, luvas e botas. Os equipamentos são caros, sim, mas são investimentos e essas vestimentas duram bastante. Não equipe a sua moto, antes de equipar você primeiro.

Agora o mais elementar no trânsito é educação e generosidade. Seja em qual veículo você estiver.

Manoel Messias Farias Junior

Muito Obrigado.

Já dei uma passadinha na Yamaha pra ver a xtz....
essas dicas serão minha bíblia no transito...rsrs

Vlw.. ABraço!

Marcos Moura

Olá! Procurei em todos os posts aqui e não encontrei nada, então gostaria de perguntar. Tenho visto vários fórums sobre a moto Green Sport 150, e gostaria de saber sua opinião sobre esta moto. Eu não entendo muito do assunto, e tenho visto várias opiniões contra e a favor. Você poderia comentar o que acha? Pois estou interessado em comprar uma, mas não sei se ela ainda é fabricada, ou se dá pra confiar nesta moto. Quanto a questão de revenda, não estou preocupado, e tenho visto bastante gente dizer que ela tem compatibilidade com peças Honda. Por favor, você poderia me dizer o que acha dela? Obrigado! E parabéns pelo site, realmente muito bem elaborado e instrutivo!

Diler

Olá Marcos,

Recomendo que leia sobre a Green Sport 150 neste endereço: http://www.rodobens.com/REVENDAS/greenmotos/imprensa.jsp

Há uma porção de informações a respeito da moto que já foram publicadas nas revistas especializadas.

Grande abraço e obrigado pelo comentário.

Anônimo

ola gostaria de saber mais sobre a moto skema da miza abg

arnoldo caetano ricardo

bom comprei a minha primeira moto work 125 trax nao foi uma boa compra toda ves que presiso de peças de reposiçao !nao tem vai chegar so deus sabe quando as vese ela para em pleno trasito a paga tudo ja levei na chamada mundial motos altorisada trax nao resolveram o problema voltando para areposiçao de peças os propios fucionario edicam compra peças da concorente honda alegando que da nela pode na verdade el nao deveria ter confiado nesta marca trax na verdade moto so honda

Postar um comentário

>> O espaço está aberto para o seu comentário, mas não serão tolerados os de cunho preconceituoso, criminoso ou palavrões;
>> Evite o anonimato, afinal, todo mundo tem um nome. Deixe seu nome comentando com a opção "Nome/URL" (o espaço URL não é obrigatório).